quinta-feira, 25 de março de 2010

alça de henle fisio renal

O tubo contorcido proximal acontece absorção de 2/3 de tudo que foi filtrada.
Tem muitas microvilosidades e absorve tanto água quanto eletrólitos.
Possui muitas mitcondrias que ajuda na bomba de sódio potássio atpase.

Alça de henle

O segmento fino da alça descendente, não tem borda em escova e não tem mitocôndrias, assim não participa de transporte ativo, já que não há geração de atps. Por conseguinte, não uma grande reabsorve uma grande quantidade de água como o t. contorcido proximal que tem borda em escova.
A junção aderente é frouxa torna o segmente bastante permeável a água, e como não há bomba de sódio potássio para jogar os ions para o interticio, ocorrendo assim, uma concentração do fluido intratubular. A reabsorção nesse área é muito menor que a do túbulo contorcido proximal que é por volta de 25%.

No ascendente fino as junções são bem aderentes é praticamente impermeável a agua. É um pouco permeável a sódio.

Quando desce a água sai e quando sobe a água fica.

É dito que o descendente promove a concentração enquanto o ascendente fino promove a diluição.

O espesso ascendente é diferente. Suas células são parecidas com a túbulo contorcido proximal, possui mitocôndrias e tem processo de reabsorção ativo. Reabsorve cerca de 25% dos eletrólitos com a bomba sódio potássio atpase. Nesse segmento o transportador é o co transportador 1Na 2 Cl 1 K. Há reabsorção de sódio, mas não absorção de água. A água não passa pelo epitélio, não aquaporinas. Esse segmento também é diluidor.

Esse reabsorção de sódio vai participar ativamente pra gerar uma hipertonicidade da medula renal, que fica em volta das alças de henle. Essa parta do rim que fica dentro das papilas tem que ser hipertônico para promover a reabsorção de água nos outros segmentos. É responsável por gera a hipertonicidade medular. Vai reabsorve sódio e a água não acompanha. A tonicidade intratubular vai reduzir.

Porção fina descendente: altamente permeável a água e pouco permeável a solutos. Osmolaridade do fluido tubular se equlibra com o fluido medular.
Água que sai do t.c.p. 20% é a reabsorvido nesse segmento.

Porção fina ascendente: a saída de NaCl supera a entrada de uréia. O fluido intratubular se torna diluído a medida que vai subindo. Mesmo a rentrada de uréia não é capaz de alterar a osmolaridade do fluido porque o Na sai com muita intensidade com a bomba

Porção espessa. Pouco permeável a água. Células com grande quantidade de mitocôndrias e bomba sódio potássio atpase. Segmento importante. Co trasportador especializado para entrada de íons. Pouca invaginação.

No descendente a água é levada pelos vasa retos que levado ao sistema circulatório novamente.
Na alça de henle ocorre um mecanismo de contra corrente com a as vasos retos. F fluido corre num sentido e o sangue no outro sentido.A água é rapidamente absorvida pelo vasa reta.

Túbulo contorcido distal, continua reabsorvendo sódio, cerca de 5~8%. Chegando em torno de 50 mos. Urina bem clara sem osmolaridade.
A reabsorção de água nesses segmentos se da com o ADH que se liga aos receptores e começa a absorver água. A presença desse hormônio vai fazer a diferença na osmolaridade.

A uréia ajuda a tornar a medula mais hiperomolar. Esssa uréia é secretada na alça de henle.


Observar esquema de entrada de íons nas gravuras da s aulas.

Furosemida é um diurético que age na reabsorção tubular. Inibe o carreador sódio potássio 2 Cl. Assim o sódio fica na luz tubular e no final o sódio impede a água sair pelas aquaporinas.

T.contorcido distal.
Dois segmentos com características de transporte diferentes
O segmento inicial é mais contorcido e o final é mais retificado como um túbulo de ligação com o túbulo coletor.
A porção inicial se assemelha a porção espessa da alça de henle, pouco permeável.
Diferente da alça de henle não há o co-transportador NaK 2 Cl, no lugar há o co transportador Na Cl. Esse co transportador é inibido pelos diuréticos tiazidicos. O fluxo de sódio e cloreto é transcelular, sem o paracelular na porção espessa. A forma é diferente da alça de henle.

Bomba sódio potássio atpase com co transportador.
Essa bomba que é bloqueada pelos diuréticos tiazidicos.

Na segunda porção começa a ter ação de um homronio aldosterona que vem da circulçao que encontra receptores específicos para esse hormônio. Comanda a síntese protéica de novos canais de sódio e potássio.
Aumenta a aldosterona - >aumenta reabsorção de sódio e a secreção de potássio.
Aumenta a retenção de sódio.

A aldosterona envia informçao para o núcleo( DNA) que sofre trnascrição e tradução e forma os canais de sódio e potássio.

No túbulo coletor há dois tipos celulares distintos. Células principais e intercaladas.
As células principais atuam na reabsorção de sódio. As intercaladas atuam na secreção de hidrogênio e reabsorção de bicabornato.

Fatores que influencia a troca de sódio potássio.

-Quanto mais sódio entra, mais sódio reabsorvido e mais potássio é secretado, já que no t. coletor essa troca é acoplada. Mais sódio entra, mais potássio sai.
-O fluxo intratubular alta promove a lavagem do potássio por diferença de concentração.

-Ação da aldosterona. Que induz a síntese de proteína dos canais.
A aldosterona é liberada em altas concentraçoes de renina, nos estados hipovolemia e hipotensão. Através da ação da angiotecina II que estimula a supra renal.

Hipercaleima também leva a secreção da aldosterona da supre renal.

Paciente diurética. Hipocalemia...

Tem mais coisa que não adicionei, porque não entendi direito, vale a pena estudar olhando os slides para orientar as trocas.
Abraço Gabriel kanhouche

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário